Nesta semana, a Águas de Primavera desativou a Estação Elevatória de Esgoto que funcionava na Rua Rio de Janeiro, no Centro. A ação foi possível após a conclusão da obra de travessia da tubulação de esgoto na MT-130, por método não destrutivo. O efluente dos imóveis na região que chegava à unidade, foi direcionado para a elevatória de esgoto no bairro Jardim Universitário e, na sequência, encaminhado para a Estação de Tratamento de Esgoto. A estrutura no local foi demolida por completo.

Com investimentos de R$ 150 mil, a obra de desativação da elevatória interligou o coletor de esgoto da Rua Rio de Janeiro, com o coletor existente na Rua Olivério Porta, passando por baixo da rodovia. As equipes de engenharia da concessionária utilizaram um equipamento chamado Perfuratriz Direcional Horizontal, que abre um túnel, por onde passa a tubulação em Polietileno de Alta Densidade (PEAD), com uma extensão de aproximadamente 50 metros.

O procedimento garantiu a perfuração sob a rodovia, sem interromper o tráfego de veículos e danos ao pavimento, além de ser rápido e seguro. O diretor-executivo da Águas de Primavera, Thiago Maziero, ressalta que todo o projeto de desativação da estação elevatória foi planejado para reduzir os transtornos aos moradores. “Uma obra de engenharia acaba gerando algum tipo de incômodo para a população, mas pelo método não destrutivo, conseguimos executar o projeto de forma rápida, evitando a abertura de valas e sempre atentos às questões socioambientais”.

Ainda segundo o diretor, a transferência do efluente para a elevatória de esgoto no bairro Jardim Universitário não vai sobrecarregar o sistema. “A capacidade de bombeamento da elevatória de esgoto no Centro era de 07 litros por segundo. Já a estrutura no Jardim Universitário foi ampliada e passou de 30 litros para 75 litros por segundo. Neste processo de desativação, atendemos as questões ambientais e as exigências técnicas para um sistema de esgoto que atenda a demanda no município”, pontuou.

“A gente sabe da importância do sistema de esgoto para a cidade, mas o cheiro que ele provoca é desagradável. Já passei por algumas situações com clientes que sentiram esse odor forte na loja e tive que justificar de onde veio. Espero que com a desativação da elevatória de esgoto, esse problema seja solucionado”, disse o comerciante Tito Ferreira, proprietário de uma empresa de funilaria e pintura de veículos na Rua Rio de Janeiro.

Para mais informações sobre os trabalhos, projetos e ações desenvolvidas pela Águas de Primavera, acesse www.aguasdeprimavera.com.br

Share Button